CARTA ABERTA – VI ENGA

enga

CARTA ABERTA “VI ENCONTRO NACIONAL DE GRUPOS DE AGROECOLOGIA

 

Semear a liberdade, auto gerir, assumir a responsabilidade individual, desconstruir paradigmas e arregaçar as mangas para construir um todo que acolha, respeite e aprenda com a diversidade. Respeitar a liberdade de cada um. Re-significar o olhar acerca de como as coisas podem ser nesse mundo, perceber nossos padrões, escolher e re-existir. “Sê Mentes Livres – Re-Existência”, este foi o tema do VI ENGA (Encontro Nacional dos Grupos de Agroecologia), que aconteceu do dia 12 a 16 de novembro de 2014 na EcovilaTibá, em São Carlos – SP.

O ENGA é um encontro construído pela REGA (Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil), uma rede que nasce de grupos e indivíduos que praticam a agroecologia e, a partir de uma tomada de consciência, percebem que se ver no outro pode fazer a diferença para o mundo que acreditam, fortalecendo assim a construção desse movimento de transformação. O processo de construção do evento é uma forma da REGA materializar seus objetivos de incentivar a emancipação e autonomia do ser humano, de qualquer forma de dominação e opressão que os tabus alimentados pelo sistema capitalista têm exercido na sociedade. Para isso cultivamos a cultura de paz, e o estímulo a uma vida mais integrada a natureza. Como ferramentas para isso, praticamos a Permacultura, a Comunicação Não-Violenta e estimulamos o desenvolvimento local agroecológico partindo da autogestão e da horizontalidade.

No V ENGA, em Porto Alegre-RS, uma semente foi semeada e, a partir daí, sob os cuidados dos grupos de São Paulo o VI ENGA começou a germinar. Para cultivar essa semente os grupos da região de São Paulo se uniram e muitas mãos, mentes e corações trabalharam. Este tipo de articulação regional contribuiu para o evento, e como consequência os grupos do estado estão agora mais fortes. Em junho de 2014 ocorreu o Sementário da REGA, em Antonina-PR, com a presença de grupos de quase todas as regiões do país e foi fundamental para que o acúmulo político da rede entrasse em sintonia com a construção do encontro. De lá saíram muitos encaminhamentos metodológicos, além de muitos sonhos que viriam a ser realizados. A agroecologia nos ensina que plantar com amor sempre nos trará bons frutos, então não poderia ser diferente. Com muito envolvimento e a partir de metodologias participativas, nos encontramos periodicamente para regar, adubar e energizar esta planta que pouco a pouco vinha crescendo. Um grande fruto deste trabalho é o cuidado para que o ENGA fosse um evento realmente coerente, aproximando o discurso da prática. A alimentação foi originada em sua maioria da agricultura familiar, dos grupos de agroecologia e de assentamentos da reforma agrária, gerando renda para a comunidade e nutrindo as pessoas de saúde e energia vital. Todos os produtos de higiene foram fabricados com bases ecológicas, sendo disponibilizados para todos os participantes. Sabonetes, pó e enxaguante dentais, shampoo, entre outros. Os resíduos gerados foram tratados coma utilização de banheiros secos, além da separação dos recicláveis e compostagem dos resíduos orgânicos. A água também recebeu sua devida atenção. Os chuveiros e torneiras foram abastecidos com água da chuva, através de uma cisterna de captação construída para o encontro.

A união entre prática e teoria também se deu nas oficinas que foram organizadas de acordo com as sete pétalas da Permacultura. Educação popular, reforma agrária, agricultura biodinâmica, bioconstrução, manejo dos recursos hídricos, biodiversidade, e a valorização da cultura popular foram alguns dos temas aprofundados por focalizadores que vieram de diferentes partes do Brasil com importantes conhecimentos para serem compartilhados. O encontro acolheu a todos, crianças de todas as idades, desde os bebês de poucos meses até mestres vivos que nos deram o ar da graça. As crianças contaram com o cuidado de todos e tiveram um espaço próprio para elas, o Enguinha. A valorização da diversidade cultural é outro ensinamento da agroecologia e que foi muito honrado nas culturais do encontro, com lindas e empolgantes apresentações. Toda a cerveja oferecida nessas atividades foi de origem artesanal, sem transgênicos, produzidas por grupos autônomos ligados a rede. Outro momento especial, sempre muito marcante nos espaços da REGA, foi a feira de troca de sementes que incentiva a conservação da diversidade. Com muita música e cultura, muitas variedades de sementes foram trocadas e compartilhadas, culminando em um mutirão para plantar um banco vivo de sementes e nos reconectar com a ancestralidade e os ensinamentos da Mãe Terra. No encontro tivemos a oportunidade de fortalecer nossos laços com a ABA (Associação Brasileira de Agroecologia) e a ANA (Articulação Nacional de Agroecologia), com a realização de uma mesa redonda com representantes de ambas as organizações, abrindo novas perspectivas para inserção política dos grupos de agroecologia. Diversas propostas foram feitas no sentido de possibilitar o acesso às políticas públicas e editais de financiamento, assim como para criar acúmulo e contribuir para o aperfeiçoamento e criação de novas políticas. Foi ressaltada a importância dos grupos na formação profissional diferenciada e no trabalho direto com os agricultores, povos indígenas e comunidades tradicionais. Nesse sentido gostaríamos de enfatizar o nosso respeito pela luta de cada um desses povos e firmar nossa participação para que seus direitos sejam garantidos em nossa sociedade. Os recursos financeiros utilizados para a construção do encontro foram viabilizados pelo valor levantado nas inscrições, doações de grupos que compõe a rede e por uma campanha de financiamento colaborativo, da qual somos muito gratos. Por fim, em plenária histórica realizada no encontro, foram tirados os seguintes encaminhamentos do VI ENGA:

-Fortalecer, dar continuidade e multiplicar as campanhas da REGA como o Maio Agroecológico, o Plante o ENGA, o Sementário, as Caravanas Agroecológicas, as Micorrizas e as Feiras de Trocas de Sementes; -Apoiar as seguintes causas: campanha permanente contra o uso dos agrotóxicos e pela vida; a construção do pós-capitalismo; reforma agrária popular; demarcação das terras indígenas; uso sustentável dos recursos hídricos; igualdade de gênero; descriminalização da Cannabis; apoio às ocupações urbanas e rurais; apoio ao exôdo urbano; economia solidária e consumo consciente; agricultura urbana; direito dos animais; desmilitarização da polícia; democratização dos meios de comunicação; igualdade racial; parto humanizado; apoio à luta LGBTQI. -Sistematizar e compartilhar saberes entre indivíduos e grupos de forma a facilitar ações de apoio mútuo. -Proporcionar a integração e a presença de povos indígenas e tradicionais no movimento agroecológico, reconhecendo sua importância na resistência cultural, territorial e na contribuição para a conservação da sócio-biodiversidade. -Aprofundar nosso debate sobre educação popular emancipatória e agroecologia, problematizando a atual educação formal em agroecologia. -Debater na REGA a nossa concepção de Agroecologia para aprofundar o diálogo com as diferentes concepções nos movimentos sociais. -Estudar e nos capacitar com metodologias de gestão participativa para a estruturação da REGA.

Temos consciência dos desafios que nos são apresentados, numa sociedade marcada pelas relações regidas por tabus, crises humanas e por uma governança pautada na representatividade verticalizada, da qual ainda estamos dependentes. Esperamos que a experimenta-ação do encontro reverbere nos indivíduos e grupos de agroecologia nas práticas cotidianas, funcionando como um fractal da mudança que queremos para o mundo.

São Carlos, 16 de Novembro de 2014.

Atenciosamente, REGA (Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil)

Permacultura Popular UrbanaCARTA ABERTA – VI ENGA

Deixe uma resposta